quinta-feira, 22 de setembro de 2016

TIREI MEU BODE DA SALA

Nenhum comentário:
Link direto para esta postagem
Cara de um bode mostrando a língua
Conta a lenda, que o sujeito estava recheado de problemas na vida, um mais escabroso do que o outro. Tudo acontecia ao mesmo tempo e não parecia haver solução razoável pra nenhum deles.
Pensara em se matar diversas vezes para acabar de vez com seu sofrimento, mas não tinha coragem. Foi aconselhado a procurar uma psicóloga, que lhe sugeriu o seguinte tratamento nada ortodoxo.
Durante uma semana o sujeito deveria conviver com um bode na sala de seu apartamento. Depois voltaria pra mais uma sessão e devolveria o bode.
Mesmo contrariado o sujeito foi convencido a aceitar a proposta, levou aquele bode enorme, marrom e fedido pra dentro do seu apartamento.
Naqueles primeiros momentos o bode já demonstrava que o relacionamento não seria fácil, além de toda sujeira que fazia, ele comera as almofadas, fez um buraco no sofá e comeu o controle remoto da TV.
Todo dia de manhã, ao sair do quarto, o sujeito se deparava com uma novidade desagradável. Móveis destruídos, paredes sujas com cocô, tela da TV quebrada com um coice e até mesmo sua coleção de tampinhas de garrafas de cerveja devorada como petisco da madrugada.
No quarto dia ele resolveu devolver o bode, antes do prazo, estava insuportável aquele tratamento, havia ultrapassado todos os limites possíveis de sua paciência.
Chegando ao consultório foi logo dizendo à psicóloga: "sinto muito, mas não aguento mais, esse bode transformou minha vida num inferno, estou enlouquecendo com ele no meio da minha sala!"
A psicóloga, muito sensata, sugeriu que o sujeito retirasse o bode da sala e retornasse em três dias para a próxima consulta. O sujeito voltou feliz pra casa, já imaginando como seria bom poder voltar pra casa sem encontrar aquele bode tenebroso em cima do seu sofá.
Três dias depois, em sua última consulta, o sujeito voltou, muito mais leve, até conseguia rir de sua desgraça. A psicóloga lhe perguntou como estava sua vida desde que havia devolvido o bode e ele prontamente respondeu: "sinto como se todos os meus demais problemas nem existissem, aquele bode estava infernizando a minha vida!"
Liberado do tratamento, agradeceu à gentil psicóloga e voltou pra casa com a certeza de que sem aquele bode na sua sala seria possível resolver seus demais problemas sem tanta sofrência. Passou a identificar e tirar todos os seus bodes da sala, a vida não deixou de ser complexa, mas ficou bem mais leve.
-------------------
Eis minha singela homenagem à campanha do Setembro Amarelo e à todas as pessoas que colaboraram para que o meu bode da semana saísse da minha sala. Obrigado, serei eternamente grato!  😉😃
Xô 🐐 !!

sábado, 20 de junho de 2015

DA INCRÍVEL EXPERIÊNCIA DE NÃO SER TRATADO COMO CLIENTE NA APPLE

Nenhum comentário:
Link direto para esta postagem
Imagem da logomarca da Apple em branco e fundo preto associada ao slogan Think Different (tradução: Pense Diferente)

Todas as demais empresas precisam aprender com a Apple Company​ como é que se deve tratar os clientes (ops!) quero dizer: as pessoas que são consumidoras de seus produtos e serviços.

Estou tão encantado com a atendimento que recebi do funcionário da Apple que vou compartilhar com vocês! Atenção Oi, SKY Brasil​ e Caixa Econômica Federal, aprendam:

------------------------------------------------
17/jun/15

"Olá Marco!

Eu sou o Marcos, li que não foi possível baixar o filme Boyhood.

Imagino que queria te-lo asistido logo, principalmente por se tratar de uma história muito interessante. Pelo menos eu gostaria de vê-lo o quanto antes, se estivesse em sua situação.

Pode ficar tranquilo, já vou te explicar como corrigir esta situação.

Primeiramente gostaria de te pedir desculpas pelo tempo de resposta devido a recente demanda. Pode deixar que estou tratando seu caso com a prioridade que ele merece!

Ao analisar sua conta, vi que o filme foi alugado em um iPad. Como o tamanho de um arquivo de um filme gira entre 1 a 5GB, se for baixa-lo diretamente nele, recomendamos utilizar uma conexão Wi-Fi rápida para não perder a transferência.

Esta é uma das principais causas para aparecer uma mensagem de erro ao efetuar o download, ou ele não baixar por completo.

Outra hipótese seria o espaço físico do aparelho estar ocupado ao efetuar o download do arquivo do filme.

Mas pode ficar tranquilo. Reembolsei a aquisição. No prazo de aproximadamente 5 à 10 dias úteis, USD 4.99 será informado a Operadora do Cartão para processamento.

Após esse período, é só contata-los para confirmar quando o valor ficará disponível.

Dessa forma você terá as seguintes resoluções:

- Baixar o conteúdo novamente em seu dispositivo iOS;

- Baixar o conteúdo em um desktop com o iTunes, para depois transferi-lo para seu dispositivo iOS, seguindo o artigo abaixo, se houver necessidade:

iOS: como sincronizar seus dados com o iTunes
http://support.apple.com/kb/HT1386?viewlocale=pt_BR

Espero ter ajudado. Peço somente que confirme o recebimento deste e-mail.

Se ficou alguma dúvida, estou à disposição, é só responde-lo.

Abraços e Boa Semana!

Marcos Júnior
Suporte ao cliente da iTunes Store"
------------------------------------------------

MINHA RESPOSTA em 18/jun

Olá Marcos,

Quase caí de costas quando recebi sua resposta. Estou sendo tão maltratado, como cliente, pela Sky, Oi e Caixa, nestas últimas semanas que uma resposta tão humanizada quanto a tua me fez até bem.

Muito obrigado pela maneira decente e digna que me respondeste, não sei se é um algoritmo que faz isso, mas se for é um robô mais humano que muitos humanos que conheço. Parabéns ao idealizador dessa proposta comunicativa, estou tão encantado que levarei como exemplo nas minhas aulas de comunicação.

Confesso que não gostei da experiência de comprar o filme pelo iPad, principalmente por não poder transferi-lo para o desktop e assim poder transmitir na minha TV. Mas essa atenção toda com o problema me encantou, vou repensar a ideia de não comprar novos filmes, em função da segurança e respeito que me passou. Mais uma vez, obrigado e parabéns!

------------------------------------------------

RESPOSTA da APPLE em 19/jun

"Oi Marco!

Muito obrigado pelo retorno! Na verdade eu que quase caí de costas com seu feedback! Muito obrigado mesmo!

Pode ficar tranquilo. Até onde sei, para minha sorte, não inventaram nenhum algoritmo que substitua a interação entre duas pessoas de carne e osso.

Dá totalmente para entender o que aconteceu contigo, pois com frequência somos tratados com indiferença, principalmente em atendimento ao cliente.

Sim, isto acontece conosco também (afinal também somos clientes), por isto é nosso compromisso te tratar não como o Marco, cliente Apple.

Mas como o Marco, que passou por uma situação que por exemplo, eu não gostaria de passar no meu final de semana.

Ah, tenho uma dica boa para te passar: se você pretende visualizar o filme para a TV, é recomendável o aluguel diretamente no desktop, com o iTunes instalado. Simples assim.

Desta forma, é possível a transferência para o iPad (claro, se achar conveniente), ou a própria visualização para uma TV através do computador.

O caminho inverso não é previsto, pois o tipo de arquivo que é baixado no iPad é diferente do que é baixado no desktop.

Mais uma vez, eu que agradeço pela confiança, e sobretudo por aguardar quase cinco dias por nossa resposta (eu sei, no quesito “prazo” ficamos devendo, mas já estamos trabalhando nisto, pode ter certeza).

Precisando de ajuda, é só falar conosco!

Abraços e bom final de semana!

Marcos Júnior
Suporte ao cliente da iTunes Store"

--------------------------------------------------

É assim que eu quero ser atendido e respeitado pelas empresas prestadoras de serviço ou vendedoras de produtos. Obrigado à APPLE por me respeitar como pessoa com dignidade.

#Apple #ThinkDifferent #PROCON #Consumidor #CDC

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Como exportar sua Biblioteca de Fontes Bibliográficas do Word para o Zotero

Nenhum comentário:
Link direto para esta postagem
Logo do Zotero


EUREKA! \o/

Quer saber como exportar a sua biblioteca de Referências Bibliográficas do Word (em XML) para ser aproveitada pelo Zotero sem perda de dados? Vamos lá:

Tive um problema com o computador (maldito VAIO!!!) há alguns meses e perdi toda a minha biblioteca de referências bibliográficas construída durante todo o doutorado e ~chorei muito~ ...

Agora, finalizando a tese não tive escolha, precisava atualizar todo o banco de dados e não havia jeito de importar as informações de um arquivo ".docx" para o Zotero, programa que passei a usar por ter o banco de dados online, para não correr mais o mesmo risco.

Faz três dias que estou inconformado com essa suposta impossibilidade de exportar do Word para o Zotero. Cansei de googlar informações e vasculhar fóruns e sites especializados no assunto, todos eram enfáticos em afirmar que não era possível.

Então passei os últimos dois dias transferindo ~infinitamente~ e manualmente cada dado da referência e reconstruindo o banco de dados todo. Até que hoje acordei e logo tive um insigth, pensei em algo que ainda não tinha tentado fazer e ... EUREKA! Encontrei uma maneira de recuperar meus dados e ainda por cima importa-los no Zotero.

O truque:

1) Abra um documento do Word que tenha a Bibliografia gerada automaticamente pelo próprio Word, algum DOC que você tenha gerado antes de perder sua biblioteca.

2) Clique em "Gerenciar Fontes Bibliográficas" e na janela que se abrirá copie sua "Lista Atual" para a sua "Lista Mestra" que deve estar vazia.

3) Depois vá ao site do EndNote faça um cadastro, baixe e instale o: "Plug-in™ do Cite While You Write".

4) Abra novamente o Word, no final da "Barra de Ferramentas" deve ter sido instalado mais uma "aba" chamada "EndNote", clique nela, faça seu Login com os mesmos dados que usou para fazer o cadastro no site (atenção: pode ser que não peça pra vc fazer isso neste momento ou lhe solicite depois).

5) Clique em "Export to EndNote" e escolha "Export Word Master List" (faça Login se for o caso).

6) Volte ao site do EndNote e procure a aba "Formato" > "Exportar Referências" > "Todas as referências da minha biblioteca". Em "Estilos de exportação" escolha: "EndNote Export"> "Salvar".

7) Abra o Zotero, clique no menu "Arquivo" > "Importar" e escolha o arquivo que acabou de salvar e... Pimba!!! #SimplesAssim

8) Sua Biblioteca estará lá no Zotero, seu trabalho agora, será no máximo comparar itens duplicados, mas isso é moleza...

Espero ter ajudado a mais pessoas com esse simples tutorial. Fiz questão de compartilhar essa descoberta para que outras pessoas não passassem o mesmo apuro que eu. Façam bom proveito! Abraços!

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

DO BODE EXPIATÓRIO DO "RACISMO"

Nenhum comentário:
Link direto para esta postagem
Imagem com dois dedos indicadores se tocando, um de uma pessoa branca e outro de uma pessoa negra, cada qual com um fundo em contraste em branco ou preto, simbolizando o problema cultural do racismo no Brasil.
Patrícia Moreira, acusada de "racismo" (na verdade é injúria racial) contra o goleiro Aranha do Santos, acaba de dar um depoimento à imprensa e chorou. Um choro falso, induzido por uma "assessoria de gestão de crise" e pelo advogado que ela contratou. Ficou pior do que se não a tivessem exposto mais ainda do que a mídia já está fazendo e com certas doses de sadismo e crueldade.

O fato é que essa guria virou o "bode expiatório" de um problema que ela sozinha não representa. A mídia, de novo em histeria, está expondo exageradamente a imagem de uma única pessoa, imputando a esta todo o problema como se fosse uma "a bruxa" a ser condenada à fogueira para que o "mal", enfim, seja exorcizado.

Metade do Rio Grande do Sul já deve ter cantado o mesmo hino com as injúrias raciais que a torcida canta, isso sem achar que cometia algum crime, assim como ela. Isto não significa que as injúrias no cântico estejam com a razão, mas também não significa que todo o problema do racismo se resolverá assim, através de um bode expiatório. A coisa toda foi muito boa para problematizar o racismo/injúrias raciais que ocorrem de forma velada no cotidiano da nossa cultura, mas...

O Grêmio foi punido por um erro de uma pequena parte de sua torcida, ok! Mas pera lá... As demais torcidas também não comentem injúrias criminosas de todos os tipos, principalmente as homofóbicas? O que vai ser feito com relação a isso? Ou agora todos os problemas vão se solucionar com a condenação dessa guria?

Enfim, pra deixar claro, a guria cometeu um erro grave, inconsciente no sentido de ser ignorante e ignorante no sentido de ser acrítico, mas o linchamento público midiático precisa parar. Sim, este caso tem o mérito de tirar o tema da "espiral do silêncio", mas peca ao estigmatizar uma única pessoa desse jeito. Afinal, os comentários sobre o caso contidos nas redes sociais, contém injúrias e ameaças à dignidade humana tão ou mais graves, nada é feito... isso só nos ajuda a entender que boa parte da sociedade é muito hipócrita, acrítica e inconsciente, assim como a Patrícia naquele fatídico e infeliz episódio.

quinta-feira, 24 de julho de 2014

DO INDIGNADICÍDIO

Nenhum comentário:
Link direto para esta postagem
Placa de trânsito com os dizeres: Indignado à bordo
Atenção: vocês estão cometendo um covarde indignadicídio!

Pesquisar e estudar sobre cidadania e direitos humanos neste meu doutoramento tem transformado as minhas mais profundas instâncias. O ser indignado que me habita tem se manifestado e incomodado muita gente. Mas isto é efeito e não causa, eu sinto a força da máquina que comete esse indignadicídio geral e procuro me manter em pé...

Há muito tempo sabemos que exercer a cidadania exige uma capacidade super-heroica para engolir sapos cada vez mais robustos e fáceis de entalar. Por um outro lado, um mais hipócrita, hoje em dia está muito fácil criticar os governos, mas também perpetuar as suas mesmas lógicas enfadonhas quando se tem acesso a qualquer tipo de poder. Não importa se é um poder de Síndico de Prédio, de Diretor de Escola ou o de Presidente da República, se a mentalidade for reacionária a pessoa replicará as mesmas perversidades lógicas e típicas dos absolutistas monárquicos.

Hoje de madrugada, enquanto eu estudava, trombei com este texto (abaixo) que me fez refletir ainda mais sobre o universo que habito e cheguei à conclusão de que o meu exercício de enxergar o mundo por vários prismas desagrada a muita gente. As pessoas não assumem, mas de fato nos querem domadas e marchando sob a mesma loucura compartilhada e definitivamente isso não serve pra mim!

Juro que estive pensando seriamente em desistir de carregar esse peso todo e buscar uma vida mais segura, inútil e débil, mas este texto me deu ânimo para seguir na luta por JUSTIÇA para além da retórica estética das atas, dos capítulos, das falas mansas, dos moralismos tradicionais, familiares e patrimoniais.

Obrigado Alexandre Sá, você salvou um indignado hoje, qualquer semelhança é mera coincidência:
"O cidadão aparece assim, ainda no decurso do período político absolutista, através da emergência de um público crítico e comunicativo. Este surge através da expansão de uma progressiva esfera de discussão, confrontação e debate, onde se esboçam e desenvolvem o raciocínio e o argumento.

O fim do absolutismo monárquico do século XVIII e a emergência do parlamentarismo alimentam-se justamente desta expansão, do alargamento do público e da crítica e, consequentemente, da convicção de que a moral pode influenciar a política, ou seja, de que as diferenças de pontos de vista, assim como a sua discussão, não apenas podem, mas devem influenciar eficazmente decisões governamentais que, como tal, devem ser tomadas publicamente, à vista de todos, sem recorrer ao segredo exigido pelo critério exclusivamente político da razão de Estado.

A partir da expansão de um público crítico e esclarecido, as instituições políticas fundamentais podem e devem ser a expressão da comunicação, da discussão e do debate, do argumento e do raciocínio, que ao próprio público são intrínsecos. É neste sentido que Guizot pode justificar a instituição parlamentar do seguinte modo: 'A característica do sistema que não admite, em lado nenhum, a legitimidade do poder absoluto é a de obrigar todos os cidadãos a procurarem sem cessar, e em cada ocasião, a verdade, a razão, a justiça, que devem regular o poder de facto.' " (SÁ, Alexandre. Media, mass media, novos media e a crise da cidadania in Informação e Comunicação Online (vol III) - Mundo online da vida e da cidadania, p.9, 2003.)